11 abril 2011

O Luto é Revisitado Dois Anos Após Tragédia

“Trem de pouso do Airbus A330 encontrado no fundo do Atlântico


Notícias veiculadas em toda imprensa mundial nesse domingo (O3 de abril) dão conta de que foram encontrados corpos intactos dentro de partes da fuselagem do Airbus A330 da Air France que caiu no oceano Atlântico em 31 de maio de 2009. A profundidade de 4.000 metros onde os destroços do avião repousam tem temperaturas abaixo de zero e grande pressão, o que impedem a circulação de animais aquáticos, e a sobrevivência das bactérias. Talvez seja essa a razão pela qual os corpos ficaram conservados esse tempo todo, disseram os que realizaram a missão de busca oceanográfica, a cargo do governo Francês.

Fica uma pergunta no ar:

Como as pessoas que já viveram o seu luto, e já aceitaram em definitivo o sepultamento dos entes queridos nas profundezas abissais do oceano irão se comportar diante da volta inesperada dos corpos encontrados quase intactos, e quais serão as reações que esboçarão, num momento em que já estão reintegrados em sua vida afetiva, ao vencerem as etapas da dor e tristezas, e terem completado o seu ciclo normal de luto?

Freud em (Luto e Melancolia - 1916), diz que “o luto, de modo geral, é a reação à perda de um ente querido[...]”. “ [...]é um processo longo e doloroso, que acaba por resolver-se por si só, quando o enlutado encontra objetos de substituição para o que foi perdido.”

Segundo o pai da psicanálise, o trabalho de luto vai gradualmente se extinguindo, concomitantemente com o desaparecimento da tristeza e da melancolia. No final, não mais que um ano, a vida afetiva da pessoa volta ao seu curso normal. Em psicanálise diz-se que o indivíduo, completou o trabalho de luto com relação aquele ente querido desaparecido.

Passados tanto tempo, o luto daqueles que perderam seus familiares será que pode ser revivido? Creio que ninguém que tenha uma ferida já cicatrizada vai querer reabri-la, como bem afirmou Gwenola, noiva de uma das 228 vítimas: “Acho que onde eles estão, já era a nova casa deles. Não sei se eles próprios gostariam que a gente voltasse a mexer nesta história”

“Os familiares franceses das vítimas do voo AF 447 estão divididos sobre a descoberta de "vários" corpos junto aos destroços do Airbus A330, encontrados no domingo no oceano Atlântico. Enquanto alguns estimam que a localização é um passo importante para que o luto seja completo, outras consideram que esta etapa vai representar a uma nova fase de dor e tristeza” — diz a reportagem, de Lucia Muzell, direto de Paris.

Quanto aos sentimentos dos parentes das vítimas, para a ciência, interessa mais saber o que provocou a tragédia. Possivelmente em três meses, a fuselagem do avião será selada, numa operação que custará aos contribuintes franceses cerca de 5 milhões de euros, e levada para a superfície de um modo muito seguro, a fim de que os corpos não se desprendam durante o trajeto da subida.

Enquanto a mídia televisiva se prepara para uma espetacular transmissão da mega-operação para todo o mundo, os que sofreram as perdas estão atônitos com o que poderá acontecer com eles, quando as sepulturas forem enfim violadas para que os mortos retornem para ser dissecados no frio mármore dos escaninhos científicos

Um senhor ficou chocado ao ser informado sobre a inusitada descoberta, dois anos após a tragédia, e perplexo, assim falou:

"Eu mesmo ficaria muito abalado se só encontrassem o corpo ou da minha filha, ou do meu genro. Gostaria que eles não fossem separados, preferiria que eles permanecessem juntos, que foi a maneira como enfrentaram esta tragédia."

2 comentários:

Eduardo Medeiros disse...

levi, parece que o luto vai ter que ser vivido de novo. realmente não sei como isso irá afetar os que perderam entes queridos nessa tragédia. melhor mesmo que a "sepultura" não fosse violada.

Levi Bronzeado disse...

Edu

Quando o trabalho de luto é devidamente encerrado, fica extremamente angustiante tentar reviver a mesma situação, uma vez que os que perderam seus entes queridos, já os consideraram sepultados definitivamente no fundo do mar.

E isso, ficou evidenciado numa nota fornecida pelos familiares dos mortos a imprensa, hoje:

”A Associação das Famílias das Vítimas do Voo 447 da Air France informou na manhã desta sexta-feira que os corpos dos que morreram no acidente não deverão ser resgatados. A decisão teria sido tomada durante reunião do BEA (Birô de Investigações e Análises), na noite de ontem (14), em Paris”

Link da notícia:

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/903138-corpos-do-voo-447-nao-deverao-ser-resgatados-diz-associacao.shtml