26 julho 2011

Sai Freud, Entra a Pílula da Felicidade




Há poucos dias assistia na TV Cultura uma equipe de jornalistas entrevistando o ex-ministro da Saúde – José Gomes Temporão –, que tratava da submissão ou rendição do médico ao poder da indústria farmacêutica. Dizia ele, que os americanos tinham expulsado Freud dos EUA, aproveitando o fato de que o “corre-corre” frenético do cotidiano das pessoas já não permitia que as mesmas passassem cerca de 50 minutos numa consulta com um psicanalista.

Como na contemporaneidade não há lugar para se intermediar através da palavra as angústias existenciais, a indústria de medicamentos de ação cerebral vem levando adiante a idéia de que o prazer, que está fortemente vinculado à felicidade, pode ser conquistado através da pílula, contrariando o maestro e músico Tom Jobim, que na letra do seu emblemático samba bossa nova A Felicidade”, dizia: “Tristeza não Tem Fim, Felicidade Sim”.

É para ressaltar a importância atual desse interessante tema que nos toca de perto, que trago a esta sala a entrevista de Miguel Chalub – uma das maiores autoridades brasileiras em depressão –, publicada na revista ISTOE (edição 2115), de 27 de maio de 2010, com o título

"O homem não aceita mais ficar triste":

Por que tantas previsões alarmantes sobre o aumento da depressão no mundo?

MIGUEL CHALUB -

Porque estão sendo computadas situações humanas de luto, de tristeza, de aborrecimento, de tédio. Não se pode mais ficar entediado, aborrecido, chateado, porque isso é imediatamente transformado em depressão. É a medicalização de uma condição humana, a tristeza. É transformar um sentimento normal, que todos nós devemos ter, dependendo das situações, numa entidade patológica.

ISTOÉ -

Por que isso aconteceu?

MIGUEL CHALUB -

A palavra depressão passou a ter dois sentidos. Tradicionalmente, designava um estado mental específico, quando a pessoa estava triste, mas com uma tristeza profunda, vivida no corpo. A própria postura mostrava isso. Ela não ficava ereta, como se tivesse um peso sobre as costas. E havia também os sintomas físicos. O aparelho digestivo não funcionava bem, a pele ficava mais espessa. Mas, nos últimos anos, a palavra depressão começou a ser usada para designar um estado humano normal, o da tristeza. Há situações em que, se não ficarmos tristes, é um problema – como quando se perde um ente querido. Mas o homem não aceita mais sentir coisas que são humanas, como a tristeza.

ISTOÉ -

A que se deve essa mudança?

MIGUEL CHALUB -

Primeiro, a uma busca pela felicidade. Qualquer coisa que possa atrapalhá-la tem que ser chamada de doença, porque, aí, justifica: “Eu não sou feliz porque estou doente, não porque fiz opções erradas.” Dou uma desculpa a mim mesmo. Segundo, à tendência de achar que o remédio vai corrigir qualquer distorção humana. É a busca pela pílula da felicidade. Eu não preciso mais ser infeliz.

ISTOÉ -

O que diferencia a tristeza normal da patológica?

MIGUEL CHALUB -

A intensidade. A tristeza patológica é muito mais intensa. A normal é um estado de espírito. Além disso, a patológica é longa.

ISTOÉ -

Quanto tempo é normal ficar triste após a morte de um ente querido, por exemplo?

MIGUEL CHALUB -

Não dá para estabelecer um tempo. O importante é que a tristeza vai diminuindo. Se for assim, é normal. A pessoa tem que ir retomando sua vida. Os próprios mecanismos sociais ajudam nisso. Por que tem missa de sétimo dia? Para ajudar a pessoa a ir se desonerando daquilo.

ISTOÉ -

Quais são os sintomas físicos ligados à depressão?

MIGUEL CHALUB -

Aperto no peito, dificuldade de se movimentar, a pessoa só quer ficar deitada, dificuldade de cuidar de si próprio, da higiene corporal. Na tristeza normal, pode acontecer isso por um ou dois dias, mas, depois, passa. Na patológica, fica nas entranhas.

ISTOÉ -

Ainda há preconceito com quem tem depressão?

MIGUEL CHALUB -

Não. É o contrário. A vulgarização da depressão diminuiu o preconceito, mas criou outro problema, que é essa doença inexistente. Antes, a pessoa com depressão era vista como fraca. Hoje, as pessoas dizem que estão deprimidas com a maior naturalidade. Não se fica mais triste. Se brigar com o marido, se sair do emprego, qualquer motivo é válido para se dizer deprimido. Pode até ser que alguém fique realmente com depressão, mas, em geral, fica-se triste. O sofrimento não significa depressão. E não justifica o uso de medicamentos.

ISTOÉ -

Os médicos não deveriam entender este processo?

MIGUEL CHALUB -

Os médicos não estão isentos da ideologia vigente. O que acontece é: você vem ao meu consultório. Eu acho que você não está deprimido, que está só passando por uma situação difícil. Então, proponho que você faça um acompanhamento psicoterápico. Você não fica satisfeito e procura outro médico, que receita um antidepressivo. Ele é o moderno, eu sou o bobão. Para não ser o bobão, eu receito um antidepressivo logo. É uma coisa inconsciente.

ISTOÉ -

Inconsciente?

MIGUEL CHALUB -

Os médicos querem corresponder à demanda. Senão, o paciente sairá achando que não foi bem atendido. Receitando um antidepressivo, eles correspondem à demanda, porque a pessoa quer ser enquadrada como deprimida. Mas há a questão dos laboratórios. Eles bombardeiam os médicos.

ISTOÉ -

A ponto de influenciar o comportamento deles?

MIGUEL CHALUB -

Se for um médico com boa formação em psiquiatria, mesmo que não seja psiquiatra, ele saberá rejeitar isso, mas outros não conseguem. Eles se baseiam nos folhetos do laboratório. Não é por má-fé. Os laboratórios proporcionam muitas coisas. Pagam passagens, almoços, dão brindes. O médico, sem perceber, começa a fazer o jogo. Porque me pagaram uma passagem aérea ou me deram um laptop, acabo receitando o que eles estão querendo.

ISTOÉ -

O médico se vende?

MIGUEL CHALUB -

Sim. Por isso é que há uma resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária proibindo os laboratórios de dar brindes aos médicos. Nenhum laboratório suborna médico, não que eu saiba, nem vai chegar aqui e dizer: “Se você receitar meu remédio, vou lhe dar uma mensalidade.” Mas eles fazem esse tipo de coisa, que é subliminar. O médico acaba tão envolvido quanto se estivesse recebendo um suborno realmente.

ISTOÉ -

Esse lobby é capaz de fazer um médico receitar certo remédio?

MIGUEL CHALUB -

Aí é a demanda e a lei do menor esforço. Se o paciente chegar se queixando de insônia, por exemplo, o que o médico deveria fazer era ensiná-lo como dormir. Ou seja, aconselhar a tomar um banho morno, um copo de leite morno, por exemplo. Mas é mais fácil, tanto para o paciente quanto para o médico, receitar um remédio para dormir.

ISTOÉ -

Os demais especialistas também receitam remédios psiquiátricos, não?

MIGUEL CHALUB -

Quem mais receita antidepressivos não são os psiquiatras, são os demais especialistas. Os psiquiatras têm uma formação para perceber que primeiro é preciso ajudar a pessoa a entender o que está se passando com ela e depois, se for uma depressão mesmo, medicar. Agora, os outros, não querem ouvir. O paciente diz: “Estou triste.” O médico responde: “Pois não”, e receita o remédio. Brinco dizendo o seguinte: se você for a um clínico, relate só o problema clínico. Dor aqui, dor ali. Não fale que está chateado, senão vai sair com um antidepressivo. É algo que precisamos denunciar.

ISTOÉ -

Os psiquiatras deveriam ser os únicos autorizados a receitar esse tipo de medicamento?

MIGUEL CHALUB -

Não acho que seja motivo para isso. Os outros especialistas têm capacidade de receitar, desde que não entrem nessa falácia, nesse engodo.

ISTOÉ -

Mas os demais especialistas estão capacitados para receitar essas drogas?

MIGUEL CHALUB -

Em geral, não.

ISTOÉ -

É comum o paciente chegar ao consultório com um “diagnóstico” pronto?

MIGUEL CHALUB -

É muito comum. Uma vez chegou um paciente aqui que se apresentou assim: “João da Silva, bipolar.” Isso é uma apresentação que se faça? Quase respondi: “Miguel Chalub, unipolar.” É uma distorção muito séria.

ISTOÉ -

O acesso à informação, nesse sentido, tem um lado ruim?

MIGUEL CHALUB -

A internet é uma faca de dois gumes. É bom que a pessoa se informe. A época em que o médico era o senhor absoluto acabou. Mas a informação via Google ainda é precária. Muitas vezes, a depressão, por exemplo, é ansiedade. Mas as pessoas não querem conviver com a ansiedade, que é uma coisa desagradável, mas que também faz parte da nossa humanidade. Tenho uma paciente que disse: “Ando com um ansiolítico na bolsa. Saí de casa, me aborreci, coloco ele para dentro.” Então é isso? Se alguém me fala algo desagradável, eu tomo um ansiolítico? Isso é uma verdadeira amortização das coisas.

ISTOÉ -

O que causa a depressão?

MIGUEL CHALUB -

Esse é um dos grandes mistérios da medicina. A gente não sabe por que as pessoas ficam deprimidas. O mecanismo é conhecido, está ligado a uma substância chamada serotonina, mas o que o desencadeia, não sabemos. Há teorias, ligadas à infância, a perdas muito precoces, verdadeiras ou até imaginárias – como a criança que fica aterrorizada achando que vai perder os pais. As raízes da depressão estão na infância. Os acontecimentos atuais não levam à depressão verdadeira, só muito raramente. Justamente o contrário do que se imagina. Mas mexer na infância é muito doloroso. Não tem remédio para isso. Precisa de terapia, de análise, mas as pessoas não querem fazer, não querem mexer nas feridas. Então é melhor colocar um esparadrapo, para não ficar doendo, e pronto. É a solução mais fácil.

ISTOÉ -

O antidepressivo é sempre necessário contra a depressão?

MIGUEL CHALUB -

Quando é depressão mesmo, tem que ter remédio.

ISTOÉ -

Há quem diga que hoje a moda é ter um psiquiatra, não um analista. O que sr. acha disso?

MIGUEL CHALUB -

As pessoas estão desamparadas. Desamparo é uma condição humana, mas temos que enfrentá-lo, assim como o fracasso, a solidão, o isolamento. Não buscar psiquiatras e remédios. Em algum momento, isso pode ficar tão sério, tão agudo, que a pessoa pode precisar de uma ajuda, mas para que a ensinem a enfrentar a situação. Ensina-me a viver, como no filme. Não é me dar pílulas, para eu ficar amortecido.

ISTOÉ -

O que é felicidade para o sr.?

MIGUEL CHALUB -

A OMS tem uma definição de saúde muito curiosa: a saúde é um completo estado de bem-estar físico, mental e social. Essa é a definição de felicidade, não de saúde. Felicidade, para mim, é estar bem consigo mesmo e com o outro. Estar bem consigo mesmo é também aceitar limitações, sofrimento, incompetências, fracassos. Ou seja, felicidade também é ficar triste de vez em quando.


Guarabira, 26 de julho de 2011

7 comentários:

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

Prezado Levi,

Isto é uma situação muito preocupante.

Chegamos ao tempo em que o sujeito vai tomar Rivotril para dormir ao invés de investigar as razões comportamentais que estão causando sua insônia.

O governo brasileiro deveria iniciar uma campanha para desestimular o uso de medicamentos anti-depressivos e alopáticos! Penso que, no SUS, deveria haver mais incentivos à fititerapia e outros tratamentos alternativos.

Pelo que vejo, o século XXI promete ser um tempo onde a saúde mental vai se tornar questão de alta prioridade por causa do grande número de pessoas que estão surtando e se tornando inaptas para o trabalho, o que sobrecarrega o sistema previdenciário com o pagamento de benefícios tipo auxílio-doença e aposentadoria por invalidez.

Ora, uma sociedade onde as pessoas precisam tomar uma pílula para serem felizes reflete um povo fraco e despreparado para suportar as adversidades comuns da vida.

Hubner Braz disse...

Levi,

Cofesso que o tema me chamou a atenção.

E vou concordar com o Rodrigo, é preocupante.

Eu tenho visto o aumento de pessoas paranóias, onde trabalho, por exemplo, o que tem de pessoas disvurtualizadas da vida da pra ver ao redor.

São pessoas que absurdamente tem atitudes absurdas. Fora do senso comum. Totalmente extranho com atitutes extranhas, ignorântes e desrespeitosos.

É lamentável saber que para algumas pessoas serem felizes, elas tem que tomar a pílula da felicidade.

Eduardo Medeiros disse...

levi, muito bom você trazer a entrevista para cá.

como o médico disse, virou moda dizer que está "deprimido".E como é verdadeira a constatação de que hoje em dia, em nossa sociedade ultra-hedonista, ninguém quer ficar triste; todos estão eternamente em busca da felicidade e para isso, os anti-depressivos são as janelas do céu.

pobre do freud!

Levi Bronzeado disse...

Rodrigo, Hubner e Edu


Como as “pílulas da felicidade” só atacam a conseqüência e não a causa, o resultado é que os adeptos do hedonismo vão ficando cada vez mais dopados, ou insensíveis.

Os usuários dessas drogas ao sentir necessidade de doses mais fortes da pílula para abafar as suas tristezas existenciais terminam se intoxicando de overdose (às vezes mortais), ao não perceberem que não se pode fugir do que um Mestre um dia vaticinou para seus discípulos: “No mundo tereis aflições”

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

Com ou sem a química pesada dos medicamentos psicotrópicos, ou do álcool, acho que todos têm em si a tendência de se drogar. Se uma pessoa está chateada com a vida, ela liga a TV ou vai pra internet afim de "esquecer".

Levi Bronzeado disse...

Ô Rodrigo

Eu porém vos digo...:

nem sempre o que se procura na TV e na Internet deve ser rotulado de droga. Depende do que se vai procurar lá: Se na TV for um programa do Silas, do Valdomiro e outros tele-evangelistas da prosperidade e na Internet for fofocar nos sites de relacionamentos, aí sim, aí sim, o indivíduo está realmente se drogando. (rsrs).

A interação através da C.P.F.G. e de nossos blogs particulares (como exemplos) não considero uma droga. Pode ser até uma boa fuga em meio ao corre-corre sem sentido de um mundo movido à “felicidade” artificial, cuja máquina se serve de nós como meros objetos.

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

É verdade, Levi! Nem sempre...

Há casos em que a interatividade na internet pode se tornar algo libertador.

Seus comentários no último texto de sua autoria na Confraria dos Pensadores Fora da Gaiola têm me feito pensar sobre a maneira como estamos lidando com a Bíblia nas igrejas. E, sem dúvida que muitos crentes têm deixado de lado a reflexão e a auto-pesquisa, indo pelo caminho largo da literalidade.

Abraços.