27 setembro 2012

A Trindade Bem Humana de Feuerbach




Foi lendo a A Essência do Cristianismo ― maior obra, de Ludwig Feuerbach (1804 ― 1872) —, ainda hoje muito polêmica, que pude compreender o “por quê” de Freud (1856 ― 1939) ter dedicado tanta afeição e reverência a este discípulo de Hegel, a ponto de o considerar seu filósofo por excelência. Se Freud foi o pai da psicanálise, porque não dizer que Feuerbach foi o avô desse campo da investigação da psique humana?

A antológica obra de Feuerbach, publicada pela primeira vez em 1841, continua muito atual e, muitos dos seus conceitos são objetos de análises no campo das ciências humanas.

Nesse fenomenal livro há um capítulo emblemático que despertou a minha atenção de forma especial ― o de número VII ―, que consta de oito páginas, o qual versa sobre o “Mistério da Trindade e da Mãe de Deus”. Talvez, a minha militância no meio protestante, durante a minha meninice, tenha influído em maior grau no desejo de devorar com avidez o denso livro desse humanista, filósofo e antropólogo alemão, nascido em Heidelberg ― Alemanha.

Não resisti, e resolvi trazer à tona alguns trechos em que ele descreve com uma perspicácia incomum, como o religioso percebe dentro de sua essência psíquica o que se convencionou como o “Mistério da Trindade”.

Esse inteligente autor, tão combatido pela elite religiosa do seu tempo, revela verdades profundas da psique, tanto do católico, quanto do protestante; conteúdo que transcrevo aqui, retirado das páginas 96 e 97 da recente tiragem do livro pela Editora Vozes (2007) ― edição, ao que parece, já esgotada:

“O filho (refiro-me aqui ao filho natural, humano) é em si e por si um ser intermediário entre a essência masculina do pai e a feminina da mãe, é ainda meio homem, meio mulher, não tendo ainda a consciência autônoma total, rigorosa, que caracteriza o homem e que se sente mais inclinado para mãe do que para o pai. O amor do filho pela mãe é o primeiro amor da essência masculina pela feminina. O amor do homem pela mulher, do jovem pela moça recebe a sua consagração religiosa (a única verdadeiramente religiosa) no amor do filho pela mãe. O amor do filho pela mãe é o primeiro anseio, a primeira submissão do homem à mulher.

Por isso a idéia da Mãe de Deus está necessariamente unida à idéia do filho de Deus o mesmo coração, o de um filho de Deus necessita de uma mãe de Deus. Onde existe o filho não pode faltar a mãe, o filho é inato ao pai, mas não o pai para o filho. Por que Deus o filho só se tornou homem na mulher? Por que outro motivo a não ser pelo fato ser um anseio pela mãe, pelo fato do seu coração feminino, carinhoso só ter encontrado a sua expressão correspondente num corpo feminino? Na verdade o filho permanece, enquanto homem natural somente durante nove meses sob a proteção do coração feminino, mas indeléveis são as impressões que ele aqui recebe; a mãe nunca sai da mente e do coração do filho. Por isso, se a adoração do filho de Deus não é uma idolatria, também não é a adoração da mãe de Deus uma idolatria. Se devemos reconhecer o amor de Deus por nós pelo fato dele ter sacrificado para a nossa salvação o seu filho unigênito, o que ele mais amava, podemos reconhecer ainda mais esse amor se um coração materno palpita por nós em Deus[...].

[...] O protestantismo deixou de lado a mãe de Deus; mas a mulher preterida vingou-se seriamente dele [...]. [...] O antropomorfismo é certamente disfarçado ao ser excluída a essência feminina, mas só disfarçado, mas não anulado. Certamente não tinha também o protestantismo nenhuma necessidade de uma mulher celestial, porque acolheu de braços abertos a mulher terrena. Mas exatamente por isso, deveria ser suficientemente coerente e corajoso para, junto com a mãe, abandonar também Pai e Filho”.

Foi com sua Trindade bem humana que Feueurbach demonstrou que os afetos (essência) entre “filho-mãe-pai” estavam divinizados no homem. Para ele a Trindade reunia as qualidades ou capacidades psíquicas do UNO, consideradas separadamente. Freud, na formulação do “Complexo de Édipo”, se valeu da mesma “essência” Feuerbachiana para mostrar o quanto o ser humano ocidental em seus primeiros momentos de vida encontra-se alienado a mãe para, em uma etapa posterior, se tornar ambivalente com fases ora de submissão ora de hostilidade, ora de amor e ódio ao pai.

Quem já foi criança guarda lembranças, nem que sejam tênues, do reino dessa Trindade “Pai-Mãe-Filho”, onde as fantasias e  mentiras bem pregadas suplantavam as dores dos castigos e das proibições.

Por Levi B. Santos
Guarabira, 27 de setembro de 2012

Site da imagem: amagolit.blogspot.com

9 comentários:

Altamirando Macedo disse...

Caro Levi,

Tenho lido algumas obras que fazem alusões à essência do cristianismo. Ainda não li Feuerbach mas já passaram por meus olhos"Uma breve história da religião" de Geoffrey Blayney, "O animal moral" e "A evolução de Deus" de Robert Wright. Sinto a falta de essência no cristianismo para justificar comportamentos familiares no tocante aos sentimentos afetivos. Não vi muita similaridade com o comportamento humano que justifique ser chamado de divino.

Levi Bronzeado disse...

Miranda
Aos sentimentos afetivos, Feuerbach os nomeou de “essência”. Dizia ele:

“Então o que amo é o meu coração, o meu conteúdo, a minha essência – percebida como Deus”

Quanto aos livros “ A Evolução de Deus” e “O Animal Moral, eu os coloquei em minha agenda de leituras. É sempre bom olhar o outro lado da moeda. (rsrs)

Eduardo Medeiros disse...

Caros amigos, também comecei a ler "A evolução de Deus" e pelas primeiras páginas lidas, parece ser bem interessante.

Ainda não li "a essência" de Feuerbach, comecei e parei e não voltei mas a ele. Sou muito indisciplinado em minhas leituras.

Mas Levi, sobre essa afirmativa

"Certamente não tinha também o protestantismo nenhuma necessidade de uma mulher celestial, porque acolheu de braços abertos a mulher terrena."

Aqui ele está falando da mãe terrena?


" Mas exatamente por isso, deveria ser suficientemente coerente e corajoso para, junto com a mãe, abandonar também Pai e Filho”.

Mas como abandonar os próprios afetos? no caso ele entendia que no protestantismo os afetos estariam capengas por causa da retirada da mãe celestial?

Por favor, Levi, luz!!! rssssss

Levi Bronzeado disse...

Exato, Edu.

A trindade psíquica estava capenga sem a figura da "mãe celestial". Freud, foi um dos que aplaudiram a construção desse arquétipo feminino do catolicismo. (rsrs)

Feuerbach, faz uma gozação com o protestantismo que, por rejeitar a mãe celestial, deveria ter a coragem de rejeitar também o Pai e o filho.

Levi Bronzeado disse...

Edu

Talvez Freud explique essa sua mania de deixar as suas leituras no meio do caminho.

Vários dos seus blogs ficaram no meio do caminho e parece que a igreja, também. (rsrsrs)

É, mais isso aqui não é divã. Cada um que faça sua auto-análise. (kkkkkk)

Eduardo Medeiros disse...

kkkkkkk...você está certo, Levi. Mas eu nem sempre fui assim; já fui mais disciplinado em minhas leituras. Mas hoje, realmente, tô lendo tudo sem ler tudo...rsss

quantos aos blogues, não tem jeito. Faço e desfaço mesmo. Mas vou manter o Veredas intacto, até os fins dos tempos. Isso é claro, não quer dizer que não irei criar outros...

aliás, você já conhece o

www.culturapop2.blogspot.com ????

kkkkkkkkkkkkkk

vamos marcar um divã com mais tempo, Levi...kkkkkk

Eduardo Medeiros disse...

E quanto à Trindade, está explicado. Aliás, e o Jung que tem um livro onde ele analisa psicologicamente a doutrina da Trindade,né? acho que tenho esse livro perdido aqui na minha biblioteca, vou ver se acho.

Mas há também aí uma questão puramente teológica. Os protestantes deram plena evidência a Deus em sua tri-unidade. Maria meio que ficava sobrando...rssss

Gilber†o Ângelo Begia†o disse...

Caro levi

Que belo texto e questionamento interessante como sempre.

A figura emblemática da mãe é sem dúvida alguma uma divergência jamais acabará entre protestantes e católicos.

Os católicos jamais abrirão maõ desta visão materna de maria, até porque psicologicamente negar a mãe seria o pior testemunho cristão rsrsrs

Por outro lado na ânsia de defendê-la ou mesmo de querer mostrar um ato de superioridade espiritual nós os católicos exageramos tanto que Maria a mãe de jesus tornou-se muito mais a mãe de Deus.

Mas Levi não é o Jesus Mito mais poderoso que o jesus histórico?

Como católico mariano que sou eu constatei o poder que tem esta devoção à mãe na igreja. São inúmeros sinais que acontecem pela fé que temos na figura de intercessora de Maria.

Uma das frases prontas que mais ouço em forma de provocação dos católicos conservadores é esta:

Nós temos mão e e eles? Ou, nossa igreja tem uma mãe.

Mas como assim? Se maria é tudo aquilo que professamos em nossa devoção como pode então uma mãe não amar todos os filhos?

Rsrsrsrs são as contradições que existem de ambos os lados que no intuito de defender suas crenças enfatizam e super valorizam 9nós católicos) ou mesmo ignoram a importância da figura da mulher maria como mãe de Jesus (evangélicos).

Mas fica a frase do papa Paulo VI:

"Deus é pai e mãe".

valeu Levi.

Levi Bronzeado disse...

“Os católicos jamais abrirão mão desta visão materna de maria, até porque psicologicamente negar a mãe seria o pior testemunho cristão rsrsrs” (Gil)

Gil,

Mas olhando bem, a imagem no topo do texto postado nos transmite de forma meiga os afetos: filial (fraterno), paternal e maternal. Essa trindade bem humana, na foto, é nossa, na medida em que toca indelevelmente nossos primeiros momentos de vida. Somos todos irmãos e partícipes desse complexo familiar Pai-Mãe e Filho que nos moldou.

Mas por que na Trindade dogmática trocaram a Mãe – a consoladora, pela figura de um consolador - o E. S.?

Ainda bem que este E.S. tem como símbolo uma figura feminina ― a pomba. (rsrs)