27 dezembro 2012

Uma Crônica de Ano Velho




Segundo a mitologia grega o personagem Narciso morreu afogado ao se extasiar, por longos momentos, com a bela imagem do seu rosto, refletida na água.

O rosto realmente é um território nômade. É como uma paisagem que durante o dia se nos apresenta com todo o seu brilho, até que as sombras da noite tornem-na invisível ou opaca. A imagem do rosto vai mudando como muda a estação verde do inverno para seca causticante, desértica e feia do sertão. O rosto vai murchando, como a erva no campo até que numa noite última ele não mais se modifique, ficando estático.

O que me induziu a escrever sobre o rosto, sobre a fisionomia, foi um fato inusitado que aconteceu comigo há três semanas:

Fui convocado para apresentar documentos para retirada de uma pequena diferença salarial em um banco da Capital do Estado – João Pessoa. Ao fornecer a minha carteira de identidade, o gerente de maneira repentina e espontânea, perguntou-me: “Quem é esse? Esse não é você!

A carteira de identidade era datada de 1973, cuja foto, realmente, nada tinha a ver com o rosto que estava diante do funcionário do banco que me atendia. Explicou-me, então, que a Carteira de Identidade (o RG) só tem validade durante dez anos. Perguntei-lhe: “A foto do documento é minha quando era mais moço; vou ficar sem receber o que me é devido, só por causa da foto ser antiga?

“Não senhor! ― tem uma solução” ―, respondeu-me o sub-gerente: Mostre-me a sua carteira de motorista (que só é válida por cinco anos). Foi como me safei, porque neste documento estavam impressas as marcas do tempo, que transformaram o rosto de outrora no que ele é hoje.

Ali mesmo, veio a minha lembrança o que tinha lido do filósofo, Gilles Deleuze. Ele dizia: O rosto é mistério, é metamorfose a cada instante. Esse filósofo da pós-modernidade chamava o rosto de “extrato”, que através dos anos vai criando multiplicidade, criando buracos e reentrâncias que levam a novas configurações, e está em movimento contínuo para o devir perpétuo.

Interessante, é que o cérebro está contido na cabeça do sujeito, mas o que vale nessas ocasiões é a exterioridade, é o rosto. O cérebro de um homem de mais de sessenta anos pode estar brilhantemente perfeito, pode ainda estar exalando os perfumes das flores da primavera, mas nada disso vale, se há deserto no rosto. Agora eu sei que as rugas, que expressam a cartografia existencial percorrida desde a infância, devem ficar estática em um papel a cada dez anos, para confirmar que sou eu o dono do documento; isto, se a mudança fisionômica nesse período de tempo não for muito severa.

No instante em que o gerente olhava o meu RG antigo e a carteira de motorista nova, tive a ligeira impressão de que ele estava a dizer: “aqui tem dois estrangeiros”: um, com todo seu vigor e outro cheio de linhas de fuga caminhando para o fim.

Refletindo bem, agora entendo o “porquê” das clínicas estéticas e de cirurgias plásticas estarem com suas agendas abarrotadas. Rostos e corpos anoréxicos fazem a tendência atual. Talvez, um dia, quem sabe, o Congresso Brasileiro apresente um decreto fazendo constar que a carteira de identidade seja eterna enquanto durem os efeitos das aplicações de botox e reanimações estéticas promovidas por mãos hábeis de cirurgiões nos rostos dos indivíduos.

Mas além dos meandros misteriosos da "rostidade" que se acumulam com o tempo, aos 66 anos de idade, algo me consola, como escrever um poema, uma crônica ou prosa, pintar um quadro, tocar uma modinha antiga, me reunir com a família, brincar com as netas e contar histórias dos tempos da inocência.

 O importante, como diz o manual da terceira idade, é nunca perder o senso de humor, especialmente sobre si mesmo.

“O doutor agora está colhendo os louros da tranqüilidade!” ― assim despediu-se o subgerente, quando me dirigia para fora do recinto do Banco.

Depois, fiquei a perguntar aos meus botões: “será que o chefe do setor de pagamentos iria acreditar que nos anos de chumbo, a cada quinze dias, dava plantão de 72 horas em um Hospital. Entrava na sexta feira às sete horas da manhã e saía às sete da manhã da segunda-feira, com direito a cinco horas de folga, para pegar no batente com doze horas diárias de trabalho até o próximo final de semana? A minha folga se resumia a dois sábados e dois domingos por mês”.

Adeus, anos velhos...

Por Levi B. Santos
Guarabira, 27 de dezembro de 2012

Site da Imagem: spleenbored-

4 comentários:

francisco solange Fonseca disse...

comigo aconteceu eu dei a carteira de motorista, que estava vencita e eu nao sabia, o gerente disse nao vale tá vencida,coloquei a mao na testa como se estivesse procurando alguma coisa e ele falou tá procurando o que, lhe respondi uma placa de pare ,direita,esquerda.ele nao gostou eu falei a carteira de motorista vence mais o numero da identidade permanece a MESMA.ELE SIMPLESMENTE ME BLOQUEOU OS CARTOES E ME COLOCOU NO SPC.

Levi Bronzeado disse...

Caro colega Francisco Solange

Sobre o caso da troca de identidade obrigatória de dez em dez anos ― acho que é mais uma das invencionices burras da nossa república das bananas.

Se isso for levada às últimas conseqüências, um indivíduo que morrer aos 90 anos de idade, e tiver sua identidade vencida, não poderá ser enterrado. (rsrs)

Mas esse seu caso dói demais. Além de você não ter recebido a pequena quantia a que tinha direito, ainda ficou com o nome no SPC.

Enquanto isso, o Rei, trajado de Papai Noel , está distribuindo os impostos que pagamos com o suor do nosso rosto, aos seus parceiros, sem nenhuma compostura.

Contudo, desejo um feliz 2013 para você e os seus.

Eduardo Medeiros disse...

Boa história Levi!!

Não foi a Cecília Meireles quem escreveu um verso onde ela pergunta em que espelho ela perdera a face?

Tua história me fez pensar em tantas coisas...como por exemplo, o adolescente extremamente vaidoso que eu fui; ficava longo tempo diante do espelho mudando o penteado e fazendo caras e bocas que para mim, fariam as garotas se apaixonarem por mim...kkkkkkkk

Em que espelho eu perdi aquela cara de adolescente vaidoso, quase doentio?

Costumo também ficar comparando meu rosto em fotos de diferente idades. Fico observando o que mudou, o que melhorou, o que piorou...rsss

acho até, amigo, que você me inspirou uma postagem lá para o meu recanto veredas.

Mas só ano que vem; por enquanto, pisei fundo no freio.

abraços e bom ano de 2013 para todos aí.

Marcio Guerra disse...

Querido Colega, muito boa a sua crônica, retrata a nossa realidade.
Parabéns pelo Blog.
Marcio Guerra