13 novembro 2014

O Efeito Sazonal Assusta



Por conta do feriado do próximo dia 15, saí hoje, com a finalidade de antecipar as compras de hortaliças e frutas que seriam realizadas no final de semana. Após fazer o  apanhado dos citados alimentos em um dos Sacolões de minha cidade, tive um susto: a soma dos produtos que adquiri para consumo durante a semana, na pontinha do lápis, teve um aumento de mais de 20% em relação à semana anterior.

Resolvi não por a culpa no governo e acreditar no ministro Mantega que, apesar de já saber que não vai continuar no governo Dilma, vem se desdobrando para explicar as causas da inflação que por ora está assustando os consumidores. Disse ele: “a elevação nos preços dos alimentos é sazonal”. Ou seja, o ministro falou que era a falta de chuva que vinha causando a alta dos alimentos.

 20% de inflação, em uma semana, no setor de hortifrutis, convenhamos, não seria algo estarrecedor para se colocar toda a culpa na conta de São Pedro? Mas decidi acreditar que os 20% que paguei a mais em relação à semana anterior, não foi efeito reprimido da ressaca eleitoral.

Sabedor de que em um passado recente, o “chuchu” foi responsabilizado pela inflação durante mais ou menos dois meses, decidi procurar a opinião de um especialista em Economia, nessa área.

 Para que serve o Google?

 Em alguns segundos, encontrei a resposta: O professor, Rogério Gomes de Economia alimentar da Unesp de Araraquara – SP dá o seu veredicto: “a alta do preço dos alimentos está relacionada à seca que atingiu às lavouras dos EUA”. [Vide Link]

Conformei-me com a resposta do Especialista. Afinal, o mundo está globalizado tanto para o que é bom quanto para o que é mal: isto eu já sabia. Só não sabia que a culpa recaía sobre o malfadado país, EUA, tão cantado e decantado pelo seu progresso tecnológico em todas as áreas de saberes.

Através de minhas recentes pesquisas, detectei que foi de lá (dos EUA), que o nosso atual secretário de política econômica do Ministério da Fazenda, Marcio Holland, foi buscar a grande descoberta científica de que o ovo tem até mais nutrientes que a carne.

Deve estar bem fresquinho na memória de todos, o pedido que o ministro fez aos brasileiros para trocar por ovos a carne de preço bastante elevado — o que ocasionou uma reprimenda por parte da Dilma(Como pode, na reta final das eleições, um ministro sair com uma explicação científica altamente prejudicial à candidata ao cargo maior da república?).

A nutróloga Tâmara Mazaracki, membro da Associação Brasileira de Nutrologia, confirmando a afirmação “fora de tempo” do ministro, explica que a carne vermelha pode ser substituída, sim, por ovos e outros tipos de alimentos, como cogumelos, laticínios e sementes (Vide Link). O conselho do ministro, contrário ao script eleitoreiro, afinal, tinha lá sua veracidade comprovada pela ciência.

Como os hortifrutis são imprescindíveis na manutenção adequada do funcionamento do organismo humano e, a meu ver, não há substitutos à altura deles, esperemos que na falta de resposta de São Pedro, os EUA (o berço de todas as tecnologias avançadas) façam chover sobre o seu quintal (O Brasil)  barateando esses alimentos que, por ora, pesam tanto no nosso bolso.

Tomara que a decisão de bombardeamento de nuvens, tomada há três meses pelo Governo de São Paulo, dê resultados satisfatórios[Vide Link]. Se tudo ocorrer bem (São Pedro ajudando São Paulo) o efeito sazonal (a seca) que a todos prejudica de forma veemente, não será mais culpada de produzir índices inflacionários tão elevados nessa época do ano. 


Por Levi B. Santos
Guarabira, 13 de novembro de 2014

Site da Imagem: Agenda Pública

2 comentários:

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

A inflação anda bem alta e até hoje não vi uma política séria de nutrição dando certo. No começo do ano, a presidenta decidiu estimular o consumo de carnes que o churrasco é hoje a preferência do brasileiro de Norte a Sul. Em sua campanha, Aécio questionou o preço da carne que acabou subindo. Entretanto, pensando no bem estar do planeta, na capacidade produtiva e na saúde das pessoas, era para o país adotar uma política que estimule a redução do consumo de carne.

Mas falando da inflação, eis que estamos diante de algo bem preocupante e que vai requerer um remédio amargo. Dilma deverá utilizá-lo nos próximos dois anos para o país conseguir recuperar seu crescimento lá para 2017 e o PT tentar fazer um sucessor. Entretanto, as medidas que deverão ser tomadas pela equipe econômica talvez tragam mais impopularidade e desgastes que seriam irreversíveis. E a solução geralmente vem acompanhada do desagradável aumento nos juros que, por sua vez, prejudica os investimentos produtivos, diminui a geração de empregos e aumenta a dívida pública.

eduardo medeiros disse...

"São Pedro ajudando São Paulo..'

kkkkkkk

Quanto ao ovo, é sabido há tempos que ele tem todos os nutrientes que o corpo precisa, menos a vitamina C. O secretário, talvez na inocência, não dado aos jogos políticos, disse a verdade e virou piada...kkkk