11 julho 2014

Temos a Petrobrás. Por Que Não a Futebrás?



OPS! Já tem gente da imprensa aconselhando a presidenta Dilma a fundar a FUTEBRÁS. O ministro dos esportes, Aldo Rebelo,  em recente entrevista assinalou  que “o Estado vai sugerir projetos de lei para colocar a seleção brasileira no status que ela deve ter”. Isso tem cheiro de bolivarianismo.  É aquela velha mania dos reformadores políticos (no poder) de criar leis para abafar malfeitorias e tragédias, como a que aconteceu nos sonoros 7X1 impostos ao Brasil pela Alemanha, em ritmo de treino.  O ministro Rebelo andou citando até um projeto maluco do deputado, Otávio Leite, que defende agora a criação de uma Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte. (Vide link)

Há quem diga que que no humilhante mineiraço se chegou ao cúmulo de sondar os alemães para maneirarem  a goleada no segundo tempo. 

E o Felipão, que com a seleção voou tanto de um lugar para outro, tomou de um termo usado na aviação para incluí-lo nos anais da Psicologia: “Foi uma PANE de seis minutos” ― repete sempre com olhar atordoado.  Se foi "pane", esqueceu-se  de dizer que o motor da aeronave já vinha apresentando sérios defeitos há meses. (rsrs)

Senhores e senhoras: preparem-se para a formação de um novo ministério no governo petista:  “Ministério contra a exportação de jogadores para o exterior”. O Rebelo já disse: “O Estado não pode ser excluído da competência de zelar pelo interesse público dentro do esporte” (Vide link)

“Não vou criar a Futebrás, mas o governo pode conduzir essa reforma e modernização das gestões” ― disse Dilma, em referência ao projeto de se criar uma estatal para salvar os times de futebol. (Vide Link).

Portanto fiquem de orelha em pé, porque o “Não” desse governo significa “SIM” no futuro. A presidenta simplesmente reverberou a “pane de seis minutos” do Felipão. Não custa nada recorrer à psicanálise para entender que a tal da “negação” é um mecanismo de defesa psíquico (nega-se em público aquilo que no fundo se deseja). A presidenta disse que não vai criar a Futebrás, mas tem o poder de conduzí-la ― o que dá no mesmo (ato falho, ou proposital?).

Freud explica (rsrs)


Por Levi B. Santos
Guarabira, 11 de julho de 2014

Site da Imagem:  jornalgalodebriga.blogspot.com.br

4 comentários:

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

Criar a "Futebrás" (parece que foi o Aécio quem fez essa crítica) aí já seria demais. Mas é possível que parte da esquerda, como o PCdoB, também esteja disputando a grande "teta" que é a CBF há tempos nas mãos da direita conservadora. Depois de Ricardo Teixeira ter mamado por um lingo tempo lá, agora quem comanda a CBF, José Maria Marín, é um ex-arenista que foi deputado em 1975.

Verdade seja dita que, no fundo, todos estão é de olho nos patrocínios e na arrecadação que o futebol pode proporcionar, além dos desvios de dinheiro obviamente. Sem dúvida que uma "Futebrás" seria super rentável mesmo com a seleção perdendo a Copa. Afinal, nesta mesma semana (depois de amanhã) recomeça o Brasileirão. Não demora e o torcedor já terá se esquecido da derrota de 7 X 1, começando a dar audiência e dinheiro para seus clubes.

Já em seu twitter, Dilma assim escreveu:

"Os que queriam transformar a Petrobras em Petrobrax desvirtuam, agora, nossa posição de apoiar a renovação do nosso futebol. O Brasil não quer criar a Futebrás. Quer, sim, acabar com a Futebrax e deixar de ser um mero exportador de talentos. O governo não quer comandar o futebol, pois ele não pode, nem deve ser estatal. Queremos ajudar a modernizá-lo. Contem conosco para isso. O futebol, que é atividade privada, precisa ter as melhores práticas da gestão privada, nas áreas comercial, financeira e futebolística.Somos uma das maiores economias do mundo e podemos ser uma das maiores bilheterias do futebol.Devemos ampliar oportunidades para nossos craques jogarem no Brasil, dando a eles as mesmas condições do mercado internacional. As oportunidades devem ir das divisões de base ao nível profissional. Só assim garantiremos que jogadores de excelência fiquem no Brasil.Temos um imenso talento e amor pelo futebol. Temos agora os melhores estádios. Com renovação, teremos sempre o melhor futebol do mundo".

A respeito de toda essa polêmica, muito bem ironizou o candidato do PSB Eduardo Campos ao dizer que Dilma e Aécio "querem se candidatar" à CBF, tendo em vista os posicionamentos de seus rivais sobre futebol neste momento da campanha. E, se pensarmos bem, há muito mais coisa para esses dois se ocuparem...

Levi Bronzeado disse...

A caça à galinha de ouro (a CBF) por parte do governo já começou, Rodrigo. (rsrs)

VIDE LINK:

http://esportes.r7.com/blogs/cosme-rimoli/marin-declara-guerra-ao-ministro-aldo-rebelo-e-dilma-nao-aceitara-de-maneira-alguma-a-intervencao-do-governo-na-cbf-vai-se-defender-com-sua-maior-arma-a-bancada-da-bola-politicos-que-o-apoiam-em-t-11072014/

Eduardo Medeiros disse...

como se todo problema fosse manter no Brasil os craques.

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

E, segundo deu no jornal Extra, o novo coordenador-geral Gilmar Rinaldi entrou em contato com Dunga para convidá-lo a voltar a treinar o time canarinho no ciclo para a Copa do Mundo de 2018. E o técnico que já dirigiu a seleção na copa da África tem boas chances de aceitar o desafio. Como ocorre na política, as "bocas" sã também as mesmas.. (rsrsrs)