29 dezembro 2009

O DEUS “JANUS” VEM AÍ DE NOVO





Estamos a dois dias da entrada de mais um JANEIRO, mês que recebeu esse nome em homenagem ao deus JANUS que na mitologia romana é o Deus dos “Inícios”.
É representado por duas faces em oposição, uma olha para o que começa, e a outra olha para o que é findo ou passado.

A porta que esse deus abre tem simultaneamente dois lados: a entrada é ao mesmo tempo a saída. Na metáfora de Janus o presente e o passado se confundem. O presente que vemos hoje une o passado ao futuro ─ que no carrossel do tempo já foi passado. Em suma, isso quer dizer que o tempo não passa, nós é que passamos por essa porta que é passado e futuro ao mesmo tempo. À cada passagem, o indivíduo vai somando marcas e cicatrizes ao seu ser, sob a forma de desventuras, decepções, sonhos desfeitos, amor que não veio, vitória adiada, projetos inacabados, alegrias efêmeras, etc.

É nessa época que renovamos nossas apostas por um ano com menos dissabores.. Todo ano participamos de olimpíadas nos vários setores de nossa vida: social, religiosa, familiar e política.
No campo da política, por exemplo, muda-se a cobertura, mas o bolo permanece o mesmo, com os mesmos sabores e os mesmos ingredientes dos que foram feitos nos anos que se foram.

Nas olimpíadas de 2009 a Politica se juntou com a religião para disputar a medalha de ouro da principal competição, denominada corrupção. Ganhou de modo quase unânime, a “Oração da Propina” dos políticos evangélicos de Brasília. A cobertura desse bolo foi uma das mais indigestas já vistas ─ servos do senhor altíssimo pedem a bênção de Deus para que Ele oculte das vistas dos inimigos o produto do roubo escandaloso, em que esse mesmo Deus ganharia o dízimo para aplicar na sua obra, em prol das pobres almas perdidas no lamaçal do pecado.

Janus se aproxima, e em lugar da reflexão mitológica sobre esse momento de passagem do ano, o que se ouve nos bastidores dos dois principais candidatos ao posto maior da nação é a soberba maniqueísta que mutila a política, com o “é dando que se recebe”. Três grandes grupos religiosos já estão oferecendo os seus rebanhos a quem ofereça a melhor recompensa.

Saindo da metáfora romana para o ensinamento bíblico do livro de Gênesis, de tanto olhar para trás, na reedição de atos de corrupção, estamos fadados a virar eternas estátuas de sal, como foi o triste caso da mulher de Ló.

Peçamos força e coragem a Deus para poder entrar pelos umbrais de Janus de 2010 com os nossos próprios pés, sem ajuda da seiva adocicada do deus Mamon, sem dinheiros escondidos em cuecas e meias, sem panetones de mentiras para serem doados aos pobres, sem os artifícios vergonhosos dos que legislam em seu próprio benefício e sem as chicanas jurídicas que através de peças intermináveis livram os influentes, patrocinando um patético teatro da impunidade.

Mas o que esperar de um ano eleitoral, meu Deus, senão mais imposturas sem fim num congresso desmoralizado? Em 2010 o Brasil comemora 25 anos de democracia. A soma do que deu errado de lá para cá é vasta. Só em 2009, a lista foi enorme de assaltos aos cofres públicos, indo do deputado do Castelo às verbas indenizatórias, dos atos secretos do senado à farra das passagens aéreas, culminando com a medalha de ouro da corrupção que foi o escândalo de Brasília.

Não meu Deus, tira esse filme de minha cabeça, é que ando tendo visagens, ando sonhando com escândalos e outros processos escusos mais sofisticados que poderão ser usados pela máquina estatal, ando antevendo a gastança estratosférica da campanha presidencial, que só espera o deus Janus entrar, para mostrar a sua cara.

Mas se Deus é brasileiro, que o ano de 2010 seja o ano da transparência. O olho da blogosfera está aí para não deixar passar nada. Não é Danilo, Leonardo, Hermes, Renato Vargens, Gresder, Marcio Alves, João Paulo, Eduardo Medeiros, Edson, Caio, Jasiel Botelho, Tony, Ricardo Gondim, e muitos outros que a minha gasta memória não lembra?


Tenham todos, um anão em 2010. (rsrsrs)

Quero agradecer ao meu grande amigo Eduardo Medeiros do Blog "Sala do Pensamento", por lembrar essa música de Milton Nascimento na voz de Maria Rita, que traduz de forma poética o ensaio por mim postado




Por Levi B. Santos
Gurabira, 29 de dezembro de 2009

7 comentários:

Marcio Alves disse...

Querido mestre Levi


Não tenho boas expectativas para o novo ano que já começa a raiar.


Acredito que será o mesmo novo-velho filme de sempre:


Corrupção na política, verdadeiros ladrões de ternos e gravatas.


Na igreja, piorou!


Pior do que roubar é roubar em nome de Deus com a cara mais lisa do mundo.


Assaltar com a bíblia na mão constitui-se, o pecado capital dos “capitais”.


Acredito que a imagem do deus JANUS, é a melhor representação do que devemos fazer.


Adentrar em um novo ano, sem perder de vista o ano que se passou.


Todo novo ano novo é novamente a oportunidade de refazer caminhos, tomar atitudes, escolher escolhas, traçar projetos, ter novos horizontes, criar objetivos a serem alcançados.


Mas também, não podemos esquecer os caminhos já trilhados, atitudes certas e errados que tomamos, as escolhas que escolhemos, os projetos frustrados e conquistados, objetivos alcançados.


Devemos não apenas lamentar o ano que se findou, a política corrompida, a igreja que se vendeu como uma grande prostituta, mas também é ora de tentarmos levantar, por a mão na massa e lutar, nem que seja através das denuncias dos blogs.


Buscamos a conscientização da consciência (gosto do pleonasmo para reforçar as palavras. Rsrsrs) das pessoas.


Mudar a realidade? Talvez consigamos.


Tentar essa mudança? É nosso dever.


Abraços

Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém.

Eduardo Medeiros disse...

Querido Levi, que bela reflexão é essa!

A metáfora da figura do Janus também me fez lembrar da música do Milton Nascimento e do Fernando Brant, interpretada lindamente pela Maria Rita, "Encontros e Despedidas":

O mesmo trem que chega é o mesmo trem da partida.

Mas nos palácios de Brasília não há lugar para a poesia.

É triste ter que concordar com a sua análise precisa do cenário político brasileiro nesse ano eleitoral.

A Igreja evangélica entrou no jogo do "é dando que se recebe" de forma escancarada.

Bispos e pastores e Apóstolos são os novos coronéis da política brasileira. Possuem um poder eleitoral muito grande nesse Brasil de 35 milhões de evangélicos.

E o rebanho bovino que vê nesses aproveitadores ávidos por dinheiro e poder "homens ungidos", "profetas de Deus" e afins, dão carta branca aos tais para que os manipulem à vontade.

Todos estão solenementes cegos, surdos e mudos, entorpecidos pela busca da prosperidade e dos milagres; do imediatismo da vida que não é a vida abundante prometida pelo Nazareno.

Eu tinha postado meu texto lá na sala antes de ler o seu. E olha, vi também lapsos de semelhanças no tema da "roda viva", mas o seu texto é de longe bem mais abrangente e elaborado que o meu.

Mais pode deixar que um dia de tanto ler o que você escreve, o meu texto também vai refinar-se mais e mais. rsssss

UM ANÃO TAMBÉM PARA VOCÊ E PARA OS SEUS, E PARA TODOS QUE POR AQUI PASS

Jair dos Santos disse...

Forte abraço Mestre Levi:

Confesso, estou pessimista, me envergonho destes políticos evangélicos, que nem sei o que são.

Se utilizam do evangelho para conseguirem álibi, muitos destes irão utilizar os púlpitos que outrora era "santo" em 2010 que na verdade já se tornou palanque desta corja de Arrudas, Apolinários...

Não são apenas de 20 meliantes, mais 20 milhares ou até já se perdeu a conta.

Que a imagem do deus Janus nos sirva de exemplo e nos mantenha atentos, olhando de um lado e outro, para que possamos nos defender desta quadrilha que tem sede em Brasília, e que povoa as convenções eclesiásticas deste Brasil.

Já tracei uma meta para 2010 não voto em “crente”.

Felipostagens disse...

Bem não sei qual fime vai estar no cinema, se é este mesmo velho ou se a Brasil Produções e LTDA, vai produzir um novo. Mas sei que podemos contribuir e muito para um outro filme, para exibir na outra sala ao lado. Um grande abraço Feliz 2010.

Gresder Sil disse...

Eu acredito que certas coisas devem ser ditas por aqueles que estão mais engajados na questão apologética da blogfera, como principalmente o Leonardo e o Danilo que fase isso muito bem e divertido, entre outros, pois eu ultimamente estou com a boca muito suja e ao ver essas coisas no meio evangélico não da vontade de escrever nada a respeito, só xingar.

Gláucia Carneiro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gláucia Carneiro disse...

Levi,

Brasília é a cidade de relatos, antes "Fatos & Fotos", agora tudo filmado colocado no you tube.

Carrego na minha memória uma cena que marcou a minha vida, quando militante, "Diretas Já", votação da Dante de Oliveira, em plena Esplanada dos Ministérios.

Estávamos cercados pela polícia de choque por todos os lados, lutando por eleições diretas.

E olha só a corja que a gente colocou lá.

Brasília é o palco das grandes tragédias políticas:

"Da Ditadura Escancarada a uma Brasília Envergonhada."