12 novembro 2011

ESSE É O MEU PAÍS

Agnelo segura crise dando espaço a Zé Dirceu


No meu país nada funciona a contento. Entretanto, é a imorredoura esperança de que tudo melhore que embala os nossos sonhos. Meu país tem um povo altamente religioso que adora slogans e frases de incentivo, como as que são postas na traseira dos caminhões de cargas que transitam pelas nossas estradas esburacadas, tipo: “JESUS”, “Guiado por Deus”, etc.

Aqui tudo tem cheiro de Deus e dos habitantes de Sua morada. Armazéns, postos de gasolina, motéis, hotéis, têm nomes de Santos. A fé do brasileiro parece ser inata. As expressões: “Se Deus quiser” ou “Deus é Grande” é ouvida em todos os recantos, mesmo por aqueles que são guiados pela “Lei do Gérson” ― talvez a única lei a pegar, aqui na imensidão das terras de Dom João VI ― àquela da propaganda de cigarro Vila Rica, em que o protagonista diz: “Faça como eu, que gosta de levar vantagem em tudo”.

Não importa que sejamos uma das nações mais corruptas do mundo. O que importa é que estamos entre os países que mais enviam missionários para ensinar moral, ética e religião além fronteiras, em mais de uma centena de nações muito menos corruptas que a nossa.

Aqui, o que mais se ouve é; “Guenta firme irmão, tudo vai dar certo!” ― mesmo sabendo que as instituições não funcionam como deviam funcionar.

Aqui, nas hecatombes como enchentes e secas no Nordeste as soluções maravilhosas ainda são os mutirões. Nas áreas sempre carentes da saúde, estão na moda mutirões realizados em plenas feiras: mutirões de exames de vista, de exames de fezes e de sangue, mutirões de pequenas cirurgias, mutirões de cirurgia de cataratas etc ―, tudo feito de forma atabalhoada, sem nenhum critério, sempre coincidindo com épocas de campanhas políticas. Quem perde o mutirão de cirurgias de hérnias, tem de ter paciência, para esperar o próximo período pré-eleitoral (se estiver vivo) para, finalmente, ter chances de ser operado.

Um país que abdica do fornecimento de ações contínuas ou constantes de saúde para recorrer à mutirões esporádicos de saúde, não merece crédito.

Aqui, no trânsito enlouquecido, o individualismo é a regra, pois quem dirige pensa que é o único que está à frente da direção do automóvel. Aqui, nos shows de música na praia ou nos campos de futebol não é nada de mais ficar bloqueando a visão de quem está atrás. Nas salas superlotadas de cinema e de teatro, as pessoas atendem tranquilamente as chamadas de seus celulares, discutindo até com quem as critica.

Aqui, desde as primeiras letras o brasileiro é doutrinado a pensar que o mundo inveja a sua harmônica miscigenação ou democracia racial, que no dizer de Sérgio Buarque de Holanda, fez do brasileiro um “homem cordial”, muito embora, a figura do escravo submisso e do bom senhor esteja sutilmente em voga na sociedade.

Aqui é o país onde os cadernos de classificados dos jornais com ofertas de empregos ainda usam a especificação “deve ter boa aparência” ― que em épocas passadas embutiam o conceito de que, “nenhum negro devia se candidatar”.

Aqui, os partidos são de fachadas, pois todo mundo já está cansado de saber que, se não for o “por fora”, os mensalões, os valeriodutos, os propinodutos, etc, nada é votado no Congresso Nacional. Aqui é o país dos recordes: há um deputado que trocou de partido oito vezes. Aqui, tudo é inédito: na política, os que cometem mais abusos são alçados a assentos no posto máximo da moralidade: “O Conselho de Ética do Congresso”.

Aqui a maioria dos legisladores é astuta. Quando se pergunta: “De que lado o senhor está?”, responde-se: “O Governo mudou, mas eu não. Eu continuo com o Governo”.

Aqui, se deixa tudo para a última hora, a fim de dispensar as licitações, com o já fajuto bordão “urgência urgentíssima” ― método genuinamente brasileiro de encher os bolsos dos apadrinhados e parceiros do Rei. As obras da Copa do Mundo de 2014 que caminham à passos de tartaruga estão aí, e não me deixam mentir.

Aqui, a imprensa é que vem investigando e fazendo a faxina ética, ao trazer a publico, os escândalos que acontecem a cada semana nos bastidores da intricada teia dos conluios ministeriais. Só neste ano, em seis meses, seis ministros foram demitidos pela ação dos investigadores e jornalistas dos maiores periódicos do país, como a Veja e a Folha de São Paulo.

Aqui é o país que luta pela volta do imposto para financiar a saúde e, ao mesmo tempo, é a nação do mundo que mais protela a reforma política, em favor do caudaloso fluxo de corrupção representado pelos desvios de dinheiro público, que só na legislação pós - Lulla já somam cerca de 100 bilhões de reais.

Aqui é o pais das ONGS que recebem doações do governo sem precisar prestar contas.

Aqui é o país onde ninguém dá bolas para a guerra civil provocada pelo tráfico de drogas que mata muito mais que as guerras do oriente médio.

Aqui é o pais onde o governo toma do assalariado, sob a forma de impostos, o equivalente a quatro meses de salários para financiar a sua gastança nababesca.

Aqui é o pais onde os mensaleiros do maior escândalo já registrado na república, estão todos bem instalados em torno do poder público, bem próximos do gabinete da autoridade máxima, isto, às vésperas do que se tem como o maior julgamento da história.

Esse é o meu e o seu país, caro leitor: “Ame-o, ou deixe-o”.

P.S.:

Enquanto estou a escrever sobre o meu país, eis que surge mais uma notícia quente vinda da capital do escândalo (Brasília), saída do forno, hoje − manhã de 12 de novembro:

Em mais um movimento para retomar o controle do governo, abalado pela maior crise desde que tomou posse, o governador Agnelo Queiroz ampliou o espaço do PT ligado ao ex-ministro José Dirceu na equipe e designou o sindicalista Jacques Pena para a Presidência do Banco de Brasília (BRB). Petista de carteirinha, egresso do Banco do Brasil, ele vai tomar conta da chave do cofre do governo, cujo orçamento, de cerca de 25 bilhões de reais anuais, é todo centralizado no banco”. (Para ler o restante da matéria clique aqui)


Por Levi B. Santos

Guarabira, 12 de novembro de 2011

17 comentários:

Donizete disse...

Levi,

Quero parabenizá-lo pelo excelente texto. Infelizmente "esse é o nosso pais"

Mas uma classe que merece nosso aplauso também, e toda nossa consideração, são as equipes de jornalismo investigativo. (como você citou). Pois esses, as vezes até mesmo extrapolam os limites legais, pondo suas próprias vidas em risco, mas com o sublime propósito de informar a população, do que anda acontecendo nos meandros políticos.

Se dependêssemos tão somente daqueles que são constituídos para cumprir esse dever, certamente boa parte desses fatos ficariam ocultos.

Abraços.

Edson Moura disse...

Mestre Levi, que coisa né? Seu texto-denúncia quase que me levou às lágrimas (sério!, ora de tanto rir, ora com vontade de chorar mesmo).

Este fragmento é simplesmente perfeito:

"...Não importa que sejamos uma das nações mais corruptas do mundo. O que importa é que estamos entre os países que mais enviam missionários para ensinar moral, ética e religião além fronteiras, em mais de uma centena de nações muito menos corrupta que a nossa..."

Em outro fragmento você fala da saúde pública, lembrei do meu pai, ainda esta semana, com a cirurgia da próstata marcada pela quarta vez, se viu voltando pra casa de ônibus (pois eu tive que trabalhar depois de deixá-lo no hosapital)... O médico não foi pela quarta vez Levi, você acredita amigo?

Peguei o CRM do malaco e vou detoná-lo em breve.

Parabéns ´pelo texto Levi.

Ps: Em breve enviarei um e-mail pra você Levi, o assunto é de seu interesse, e tenho certeza que voc~e não vai rejeitar a proposta que tenho a lhe fazer e a alguns dos Confraternos.

Abraços!

Eduardo Medeiros disse...

levi,

você pinta em cores vivas como a corrupção está agarrada em nossas instituições políticas. mas apesar disso, vou fazer um contraponto como fiz lá na confraria.

apesar de toda essa corrupção, o brasil tem melhorado em vários índices sociais. nos últimos 16 anos, milhões de pessoas saíram da linha de pobreza e da miséria.

este é um país com uma economia forte, uma das maiores do mundo e com todas as possibilidades de liderar o mundo na nova economia verde que irá chegar.

a nossa cultura é uma das mais ricas do mundo. esta terra é abençoada, sem terremotos, vulcões ou tufões.

a importância política do brasil no mundo é hoje incontestável, apesar das reservas do g-7 de não abrir seu clube para países vindo de debaixo do equador.

então, meu amigo, onde estaríamos se fôssemos um país mais sério com os bens públicos? onde estaríamos se nossos políticos e nosso povo fossem mais educados e conscientes?

não podemos desistir do nosso processo civilizatório; ainda que demore chegarmos a ser um japão, onde nas raras ocasiões em que políticos são pegos em corrupção, de vergonha até se suicidam, não podemos desistir deste gigante adormecido em berços explêndidos.

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

Caro Levi,

Excelente reflexão!

Vejo que o grande problema do brasileiro é que a sua fé em Deus muitas das vezes é mais idolátrica do que libertadora. E não é por menos que a Teologia da Prosperidade ainda cresce tanta nas terras descobertas por Cabral.

Assim como o futebol e a novela, a religião emburrecedora que é pregada pela grande maioria das "igrejas" neopentecostais ajuda a anestesiar as massas.

Embora a Teologia da Prosperidade tenha surgido nos EUA e foi divulgada com muita amplitude pelo pastores midiáticos nas décadas de 60 e 70, eis que alguns desses pregadores visitaram o Brasil a partir dos anos 80. Dentre os quais estava o televangelista Rex Humbard (1919-2007), inoculando o fermento da Teologia da Prosperidade em diversas plateias e pastores daqui.

Neste ínterim, o fundador da Igreja Internacional da Graça de Deus, o "missionário" R.R. Soares, promoveu a publicação dos livros de Kenneth Erwin Hagin (1917-2003) para o público brasileiro, os quais fizeram dele um dos pregadores mais influentes no país nas últimas décadas.

Assim, a peculiar doutrina da Teologia da Prosperidade surge hoje no contexto brasileiro como sendo predominante entre as denominações neopentecostais. Cada denominação escolhe as suas crenças mais convenientes e passa a investir em objetivos mais imediatos. Ao invés de rejeitar o mundo e seus prazeres, a Teologia da Prosperidade passa a afirmá-lo, deixando a reflexão sobre a conversão, a reciclagem intraconsciencial e o autoconhecimento em segundo plano.

Enfim, acredito na existência de uma fé libertadora, a qual conflita com o conformismo e o ópio da Teologia da Prosperidade.

Abraços.

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

Em tempo!

Acrescente-se que a capacidade da IURD e outras igrejas em reunir gigantescas multidões em megaeventos realizados em estádios e outros espaços públicos, cujo discurso até hoje ainda consiste no exorcismo da pobreza, coloca-se no extremo oposto do tradicionalismo hegemônico dos católicos, a qual sempre oferecia orientações ao pobre de "como sofrer, como fazer da dor física, da perda pessoal, da derrota frente ao mundo ou da impotente contemplação da dor alheia algo tolerável, suportável - sofrível, se assim podemos dizer.

Por outro lado, o discurso iurdiano coloca-se, assim, como antípoda da Teologia da Libertação - discurso teológico crítico do capitalismo industrial e do imperialismo e que predominava na época entre os padres mais progressistas da América Latina e também entre uns poucos pastores.

Ora, não foi por menos que, nos anos 90, a IURD experimentou um vertiginoso crescimento tanto em número de seguidores quanto em patrimônio. Em 2008, 30 anos após a modesta fundação da seita no bairro Abolição, no subúrbio do Rio de Janeiro, a Universal já contava com 10 mil pastores, mais de 4.700 templos no Brasil e centenas de outros espalhados em quase todo os paíes do mundo.

Junto com a IURD, tem-se outras como a Mundial (aberta por um ex-funcionário do Edir Macedo), além da Igreja In ternacional da Graça de Deus, a Igreja Sara Nossa Terra e a Igreja Renascer em Cristo que seguem a Teologia da Prosperidade. E até fora do pentecostalismo, inclusive entre católicos e protestantes tradicionais, tem-se algumas manifestações da Teologia da Prosperidade graças à abundante literatura à disposição do rebanho evangélico fora da supervisão dos pastores que muitas das vezes fazem uma salada mista em suas congregações.

Sinceramente, ainda acho mais fácil despertar o povo brasileiro do conformismo do tradicionalismo católico, bem como das ilusões com o futebol do Brasileirão, com os jogos de azer e com as novelas do que em relação a esta terrível Teologia da Prosperidade que muitos ainda pregam por aí.

Valeu!

Levi Bronzeado disse...

Todo cuidado é pouco, caro Donizete, pois o PT, como forma de retaliação pelo trabalho investigativo da imprensa, já tentou três vezes levar ao congresso um fajuto projeto de censura à imprensa, sob o rótulo de uma tal de regulamentação (rsrs)

Levi Bronzeado disse...

Caro Edson Noreda


Estava lendo agora mesmo a entrevista do ministro da saúde, Alexandre Padilha, nas páginas amarelas da revista Veja desta semana.

Ele diz que tudo no SUS caminha mais ou menos bem, principalmente no setor de Câncer.

Ora, o exame denominado Colposcopia - um dos pilares básicos sem o qual não pode haver prevenção de câncer cérvico-uterino (o segundo que mais mata), é renumerado pelo SUS em R$3,20(três reais e vinte centavos)

Trabalho, fazendo esse tipo de exame há 35 anos. Tem mais: até dois anos atrás esse procedimento era renumerado em R$1,64.

Faço minha a velha frase do Boris:

"Isso é uma vergonha!!!"

Levi Bronzeado disse...

"a nossa cultura é uma das mais ricas do mundo. Esta terra é abençoada, sem terremotos, vulcões ou tufões" . (Edu)

Ufa! Que alívio, Edu. Ainda bem... (rsrs)

Levi Bronzeado disse...

Rodrigãooooo!

E por falar no insano mercado gospel, olha essa:


"Não será apenas na Rede Record que veremos programação com conteúdo religioso e evangélico. A Rede Globo, de olho no mercado gospel, já está pensando em atrair os fiéis mais fervorosos para a emissora.

De acordo com a coluna “Zapping”, do jornal “Agora São Paulo” desta sexta-feira (11), a Globo vai exibir no dia 18 de dezembro o festival de músicas gospel “Promessas”, com várias estrelas do gênero. A atração pode ganhar espaço anual na grade da emissora.
Além disso, a cantora Aline Barros também estará no “Show da Virada”.

É a segunda vez que a artista, considerada um dos maiores ícones da música gospel, participa da atração ao lado de cantores seculares, como Ivete Sangalo e Claudia Leitte.

Vale lembrar que o investimento do canal tem motivo: o mercado gospel movimentou só em 2009 R$1,5 bilhão no Brasil


Tudo isso para se cumprir as profecias:

"E nos últimos tempos, deus será a atração que dará mais audiência" (rsrs)(

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

Que legal! Até que não é uma má notícia, Levi! Pelo menos escolheram uma boa cantora que é a Aline Barros. Gosto dela e mais ainda da Ana Paula Valadão. Com exceção do Big Brother e do Faustão, geralmente o Plim Plim sabe selecionar. E acho que a emissora não vai ficar divulgando esta subcultura (in)vangélica.

Luiz Alberto disse...

Levi, parabenizo-o mais uma vez pela clareza e precisão no relato dos acontecimentos políticos ,que tanto nos entristece e nos envergonham, como nação civilizada que pretendemos um dia ser.A corrupção permeia quase todas as ações políticas no mundo todo,porém lá fora ela combatida,desestimulada com fortes punições.bem diferente da nossa terrinha brasilis,onde via de regra ela fica impunde.
Um grande abraço meu amigo,faço votos de novos e brilhantes textos que hão de vir de sua mente privilegiada.Apareça na nossa Casa Aul Bananeiras Pb.

Eduardo Medeiros disse...

levi,

ainda bem mesmo...kkkkkk pelo menos isso!!!!!

a globo começou a namorar a cultura evangélica com seu programa(interessante) "sagrado" onde líderes de várias religiões falam sobre a sua fé. Lá está o gondim falando sobre a fé evangélica. (o que deve gerar muita crítica no meio evangélico desde que ele se rendeu à teologia do processo).

hoje, a som livre, tem cantores gospel em seu catálogo. não vejo nada demais nisso; tenho mais críticas aos donos de ministérios do que a artistas gospel.

quanto ao sus, levi, li semana passada uma reportagem da revista época onde se procurava mostrar que nem tudo no sus é caos, e ao meu ver, eles conseguiram o intento.

me corrija se estiver errado, mas o brasil foi o primeiro país a disponibilizar os remédios de graça para aidéticos. da mesma forma, hipertensos e doentes do coração conseguem seus remédios de graça pelo sus, mas a notícia só vai para a tv quando o remédio falta...

mas não há como fechar os olhos para onde os problemas acontecem,e eles são muitos.

mas não sei por que, teimo em acreditar que este país um dia vai ser mais justo e mais ético.

Levi Bronzeado disse...

Caro Luis Alberto

Sou grato pela sua visita a essa humilde sala.

Espero que a promessa que fiz de aparecer aí na tua mansão azul em Bananeiras para um bom bate-papo regado a vinho, não fique no vazio, como as promessas do mundo político (rsrs)

Abraços,

Abraços,

Levi Bronzeado disse...

Edu


Você falou de algumas ilhas que estão funcionando no vasto mar de problemas relacionados à saúde pública do Brasil.

Mas vamos lá:

Na minha área que é a de prevenção do câncer cérvico-uterino (o segundo tipo de câncer mais freqüente em mulheres) tínhamos em 1976, na segunda região de saúde da Paraiba (26 municípios) cinco colposcópios (aparelhos essenciais no tratamento e detecção desse tipo de câncer). Hoje, passados 34 anos, temos, por incrível que pareça quatro aparelhos funcionando (mais ou menos). Isso para não falar na tuberculose, hanseníase e dengue que estão totalmente fora do controle.

Para você ter uma idéia, “A parcela do Orçamento do governo brasileiro destinada à saúde, 6%, é inferior à média africana (de 9,6%) e o setor no País ainda é pago em maior parte pelo cidadão. Os dados são da Organização Mundial da Saúde (OMS), que divulgou em maio de 2011, seu relatório anual. O documento inclui um raio X completo do financiamento da saúde e escancara uma realidade: o custo médio da saúde ao bolso de um brasileiro é superior ao da média mundial.

Em termos absolutos, o governo brasileiro destina à saúde de um cidadão um décimo do valor destinado pelos países europeus.

E os caras de pau, numa atitude criminosa, ainda querem ressuscitar a CPMF.

Para saúde, sabemos de antemão que não é (rsrs)

Eduardo Medeiros disse...

levi,

os dados que você apresentam são incontestáveis. saber que depois de 34 anos o número de aparelhos ainda é o mesmo dá uma sensação de que realmente nada dá jeito na saúde do brasil.

bem, sinceramente, meu amigo, espero um dia, quem sabe, ver o nosso país mais justo e menos corrupto.

mudando de assunto...

você acaba de se tornar sócio fundador da "Confraria Teológica Logos e Mythos" (http://logosemithos.blogspot.com/)...

não sabia? pois você será o nosso teólogo com viés psicanalítico. conversamos eu, o donizete, a guiomar, o rodrigo e outros a vontade de fundar uma confraria teológica, já que a nossa confraria original tornou-se a-teológica e por que não dizer, anti-teológica.

você terá muito a contribuir com o vasto conhecimento da religião, da bíblia e da teologia que você tem.

já estou mandando os convites. só não sei como colocar mais administradores do blog; por favor, me dá uma luz pois estou nas trevas...(igual ao aprendiz maçom quando faz seu juramento..kkkkk)

não vai recusar, não, né?

Levi Bronzeado disse...

Caro confrade Eduardo


Desde já, pode contar comigo nesse novo empreendimento.

Penso que será por demais interessante como contraponto a Confraria a-teológica.(rsrs)

Abraços, e mãos à obra

carlos disse...

levi,

fico feliz com a sua aprovação à nova confraria. já mandei o convite para você e já descobri como colocar como administrador.

valeu